Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2013

Realidade tragicômica

Tudo é superficial, aparente, falso, postiço e artificial. O que move o mundo é o sintético e o dissimulado. Tem-se amado de mentira, perdoado de mentira, gostado de mentira, aprendido de mentira e vivido de mentira. O mundo tornou-se uma grande esfera artificial e suas pessoas, grandes mestres na arte da dissimulação.
 Aparência: tenha uma boa e catalogada ou caia fora! Atitudes: seja como os outros ou será condenado a ficar sozinho... para todo o sempre! Vida: viva de mentira, seja quem nunca será e tenha o que nunca será seu de verdade ou... morra!  Entregue-se, tudo é uma delícia no começo. Mas assim que você realmente mostrar sua essência, será usado e moldado por toda a superficialidade do mundo. O sintético vai invadir você, tomará conta dos seus pensamentos e da sua alma. Você será um deles. Você dissimulará e existirá, mas nunca viverá de verdade.  Machuque-se com tudo isso e nunca aprenda. Um dia você se cansará e passará a ver tudo isso de fora, de longe, talvez de outro …

O adeus que não pude dar.

Ao meu amorzinho, com toda a ternura.

Há uma semana você se assustou com alguma coisa que ninguém sabe o quê, nem o por quê e se foi. Passei o dia todo de casa em casa atrás de você e nada. Passei a semana toda voltando ao lugar em que você fugiu e... nada. Meu bebê, eu só espero que você esteja bem.
 Há um ano e meio Deus fez com que você entrasse na minha vida. Meu pai me deu você de presente de natal e nesse pouco tempo que ficou em nossa casa, foi capaz de ensinar-nos que os anjos também vêm à Terra em formas não humanas e mesmo assim são capazes de encher nossos corações com o mais puro amor.
 Eu peço a Deus todas as noites que a traga de volta. Egoísmo? Talvez seja, sim. Ou talvez seja também a dor de um coração tão duro que foi capaz de se amolecer por completo cuidando dessa vidinha que me foi confiada. Talvez seja a dor de um coração tão ruim, mas que ao ver você dormindo se enchia de candura e ternura. Talvez seja a dor de um coração que está aprendendo as diferentes formas…

Eu quero alguém pra mim...

O título do post é uma música da minha banda favorita- Rosa de Saron- que me fez detectar uma coisa em mim: sou definitivamente uma pessoa carente. E não sinto orgulho em assumir isto, mas por aceitar minha condição porque até então eu era a garota de ferro que não precisava de namorado para ser feliz. Era a excluída que fica com o foninho no ouvido ouvindo rock enquanto a galera toda ouve o que chamam de músicas; era a anti-social da turma que não bebe, não fuma e não dança. Era e serei, sim! Mas até mesmo os A.S precisam da sua metade. Afinal, toda panela tem sua tampa e não sou uma frigideira. Se fosse, minha vocação seria o convento.   Então vi uma coisa, ou melhor, uma pessoa que me fez refletir tudo isto novamente e chegar à conclusão dita acima. Sem mais delongas, curtam o post. 




"Oi. Espero que esteja bem já que ainda não criei coragem para lhe perguntar pessoalmente. Espero que não note que estou aqui novamente observando cada movimento seu, em especial a sua boca. Não…

Agradecimentos: o grande retorno!

Aos lindos leitores que acompanham este blog e sempre me incentivam, fiquei em dívida grave com vocês. Há uns meses havia postado um texto que bombou no Facebook em agradecimento a um ex-namorado meu com toda a ironia e todos os requintes de crueldade que couberam naquele momento em minha mente. Após reencontrar a figura pelas redes sociais da vida, acabei mostrando o blog a ele e apagando o post. BUT... tia Ninna Meminger tem a fama por suas ironias apimentadas e por todo o seu sarcasmo e como este lindo blog nasceu do triste desabafo causado por essa pessoa em questão, resolvi que o "Agradecimentos" deveria voltar - como eu diria em outra ocasiões- SEM DÓ NEM PIEDADE!   Então, meu ex-namorado, acostume-se com a ideia e não me peça direitos autorais porque não citei nomes! :*


"Obrigada a você, meu querido ex-namorado idiota! Sim, quero lhe agradecer por estar fora da minha vida há um ano e 47 dias. Foram mais de 400 dias sem me preocupar se você estava com outra ou n…