Pular para o conteúdo principal

Crônica de uma 'jornaleira': Afinal, quem sou eu na fila do pão?

Correria rotineira de uma sexta-feira a tarde numa rodoviária. Pessoas que chegam, outras que se vão. E eu estava indo de volta à minha tão amada e odiada Ibaté. Comprei a passagem, aguardei pelo ônibus, embarquei e viajei. Cheguei à rodoviária de São Carlos, encontrei com meu pai, fomos para minha cidade e, em poucos minutos, lá estava eu: de volta à pacata cidade onde nada acontece. Onde sinto que o tempo parou exatamente do jeito que deixei da última vez em que ali estive.
Descrições à parte, estava eu no supermercado na fila do pão esperando a minha vez – pacientemente e vendo coisas da vida alheia nas redes sociais – quando ouço uma conversa mais ou menos assim:
 - Mas você viu que o prefeito mandou matar todos os escorpiões daquele bairro lá de baixo?
 - Nossa! Eu vi! Esse prefeito é bom mesmo, hein? 
 - E como! Mandar matar os escorpiões, quem diria. Ele está de parabéns! 
Não me contive e interrompi a conversa, num ímpeto: 
 - Com licença, senhoras. Por que as senhoras estão parabenizando o nosso prefeito?
A primeira respondeu-me que era pelo caso dos escorpiões e explicou ainda que havia alguns meses que eles estavam aparecendo nas casas do tal bairro e ninguém tomava providências. Então, o "super-prefeito" foi lá e limpou terrenos particulares. Então fiz uma ressalva:
- Não foi o departamento de serviços públicos que realizou a limpeza? E, sendo um caso tão grave assim, não era uma obrigação da prefeitura notificar os donos de tais terrenos primeiro?
Então, ela respondeu-me:
- Não sei se foi o departamento. Mas que o prefeito mandou, ele mandou. E outra, limpou terrenos particulares. Nem era obrigação deles! E você já viu o que ele fez na nossa cidade?
- Sim, eu vi. Ele mudou muita coisa em oito anos de mandato. Mas, eu acredito que tudo tem um limite e que outras pessoas também devem ter a chance de mostrar do que são capazes. Devemos dar chances para candidatos novos e diferentes.
A segunda mulher, que nem estava participando da conversa olhou para mim com uma cara enfurecida e disse-me:
- Ih, aposto que você votou no outro, né? Sabia que não gosta do nosso prefeito!
Tentei explicar-me:
- Não votei em nenhum, na verdade, porque não tínhamos opções boas nas últimas eleições. E nas anteriores não votei nem nele nem no outro, votei num candidato menor e em quem eu confiava. Mas, a questão não é o candidato em si, são as propostas...
- Fia, escuta uma coisa. Esse homem fez muito por Ibaté e enquanto ele se candidatar eu vou continuar votando nele. E se ele indicar um poste, eu voto no poste, mas não voto em outro. Por que eu confio demais nele e em quem apoia ele.
Vendo que não tinha mais jeito e que eu era a próxima da fila, apenas sorri e disse:
- Sabe de uma coisa? A senhora está coberta de razão! Tenha uma boa tarde!

Sorri, virei para a moça da padaria, peguei meu pão e saí. Afinal, quem sou eu na fila ibateense do pão? 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Etimologando: Recomeçar

É chegado o momento em que paro para refletir a palavra que marcou este ano. Talvez esteja um pouco cedo demais ainda, ou talvez não. Precipitei-me em escolher a palavra deste ano logo no início para que, desta forma, o ano seja "guiado" pelo significado dela.  Antes eu deixava as coisas acontecerem e só depois fazia esse balanço, para poder ver qual palavra havia marcado aquele período da minha vida. Por exemplo, mediante todas as mudanças ocorridas na minha vida no ano que se findou, escolhi "Maturidade" como a palavra de 2016.

O "boom" do Depakote!

Se ninguém sabe ainda, meu maior sonho na vida é ser mãe. Sabe aquela coisa de se sentir bem perto de mulheres grávidas e imaginar como será na sua vez? Aquela coisa de chorar dias quando lê histórias tristes com crianças e imaginar se os seus filhos virão a este mundo para sofrer ou se poderá fazer mais por eles? Ficar as madrugas de insônia se imaginando grávida e cuidando dos filhos? (Suspiros, suspiros e mais suspiros).
  Tudo muito lindo, mããããs... um dia fui pega de calça curta pelo meu psiquiatra.