Pular para o conteúdo principal

Escritoterapia


O que tem restado dessa desastrosa vida amorosa, senão emoção, subjetivismo, dor existencial, angústia, ausências e saudades? Talvez todas essas emoções sirvam, ao menos, para produzirem textos românticos ou tristes ou decepcionados ou saudosistas, como os livros da segunda geração do romantismo brasileiro, conhecida como ultrarromântica.
Já percebi que se tornou um ciclo: amores vêm, amores vão. Alguns porque eu quero que se vão e outros porque eu quero que fiquem, mas todos se vão. E no final, resta-me apenas as palavras. As palavras ditas e as escritas. Somente elas não me abandonam. Somente a escrita não é capaz de deixar uma escritora que sofre de amores que não podem vingar. Somente a escrita é capaz de curar essas feridas. Somente a escrita é capaz de trazer esperanças ou realidades. Somente a escrita... somente ela e mais nada!
Então, eu me tornei uma chata paranoica com os textos: mesma fonte em todos, mesmo tamanho de letra, todos justificados, mesmo espaçamento, gramática mais correta possível, coesão, coerência, regras, regras, regras e perfeições. Parece até que escrevendo consigo libertar sentimentos que não são capazes de sair sozinhos de dentro do meu peito e dando toques de perfeccionismo aos textos supro necessidades diversas. 
Enfim, sempre me restará a escrita. As palavras sempre me servirão de consolo, de expressão dos sentimentos e emoções aprisionados, sufocados e calados. Porque palavras expressam, mas a mim, elas consolam. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Etimologando: Recomeçar

É chegado o momento em que paro para refletir a palavra que marcou este ano. Talvez esteja um pouco cedo demais ainda, ou talvez não. Precipitei-me em escolher a palavra deste ano logo no início para que, desta forma, o ano seja "guiado" pelo significado dela.  Antes eu deixava as coisas acontecerem e só depois fazia esse balanço, para poder ver qual palavra havia marcado aquele período da minha vida. Por exemplo, mediante todas as mudanças ocorridas na minha vida no ano que se findou, escolhi "Maturidade" como a palavra de 2016.

Crônica de uma 'jornaleira': Afinal, quem sou eu na fila do pão?

Correria rotineira de uma sexta-feira a tarde numa rodoviária. Pessoas que chegam, outras que se vão. E eu estava indo de volta à minha tão amada e odiada Ibaté. Comprei a passagem, aguardei pelo ônibus, embarquei e viajei. Cheguei à rodoviária de São Carlos, encontrei com meu pai, fomos para minha cidade e, em poucos minutos, lá estava eu: de volta à pacata cidade onde nada acontece. Onde sinto que o tempo parou exatamente do jeito que deixei da última vez em que ali estive. Descrições à parte, estava eu no supermercado na fila do pão esperando a minha vez – pacientemente e vendo coisas da vida alheia nas redes sociais – quando ouço uma conversa mais ou menos assim:

O "boom" do Depakote!

Se ninguém sabe ainda, meu maior sonho na vida é ser mãe. Sabe aquela coisa de se sentir bem perto de mulheres grávidas e imaginar como será na sua vez? Aquela coisa de chorar dias quando lê histórias tristes com crianças e imaginar se os seus filhos virão a este mundo para sofrer ou se poderá fazer mais por eles? Ficar as madrugas de insônia se imaginando grávida e cuidando dos filhos? (Suspiros, suspiros e mais suspiros).
  Tudo muito lindo, mããããs... um dia fui pega de calça curta pelo meu psiquiatra.